Cacoal é destaque no Mês do Júri com 19 crimes sendo julgados

A 1ª Vara Criminal realizará 19 júris. Apenas crimes contra a vida serão julgados
Publicado em: 10 de Novembro de 2017

Cacoal é destaque...
Até o final do mês de novembro o Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia julgará 19 casos de crimes contra a vida apenas em Cacoal. As audiências acontecem no Fórum Criminal da cidade até o dia 30 de novembro. Crimes de homicídio e tentativa de homicídio estão entre os julgamentos.
 
Atendendo a recomendação 53/2016 do CNJ, a 1ª Vara Criminal da Comarca de Cacoal designou um júri para cada dia útil do mês de novembro de 2017, no total de 19 júris. Não há sessão de julgamento apenas no dia 16 de novembro, quando realizar-se-ão, contudo, audiências.
 
A pauta de julgamentos de Cacoal no mês Nacional do Júri é a maior de Rondônia, segundo os dados informados pela Corregedoria-Geral do Tribunal de Justiça do Estado. Para se ter uma ideia do esforço realizado, a Comarca de Ariquemes que sempre realiza uma grande quantidade de júris ao ano, fará nove julgamentos neste mês, menos da metade do que Cacoal.
 
Segundo o juiz Carlos Rosa Burck, que é responsável pelas audiências, pelo menos metade dos crimes que serão julgados neste mês são crimes contra mulher. Ainda de acordo com o juiz, seis réus já haviam sido julgados até a manhã desta quinta-feira (09).
 
Conforme explicou o magistrado, a mobilização da justiça está acontecendo em tribunais de todo o país desde a última semana de outubro. Contudo, a atenção especial e julgamentos mais rápidos de crimes contra a vida receberam a atenção especial do Poder Judiciário em novembro, que foi instituído pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) como o Mês Nacional do Júri. A medida está prevista na Portaria n. 69/2016, que institui a "política judiciária de realização anual de esforço concentrado de julgamento”.
 
Ouvido pela nossa reportagem, o Juiz da 1ª Vara Criminal, Carlos Roberto Rosa Burck enalteceu o esforço dos servidores, Oficiais e Promotores de Justiça, Defensores Públicos e, sobretudo, dos 25 jurados convocados para julgarem como representantes da sociedade.
 
O magistrado, porém, se disse muito assustado com o crescimento da violência e do número de homicídios na Comarca de Cacoal, especialmente no ano de 2016. “A violência aqui tomou dimensões que não combinam com a imagem de uma cidade universitária, de comércio pujante e imóveis caros e que deixam inquieta a população. Nossos cidadãos estão acuados, temerosos até do hábito de seus filhos tomarem tererê na frente de casa. A ânsia por um celular, uma discussão banal, a violência doméstica, principalmente contra a mulher, tudo acaba virando desculpa para um tiro, uma facada”, destacou.
 
Sobre o aumento do número de homicídios em Cacoal, o juiz Carlos Rosa Burck enfatizou que “Não adianta achar que isso é só caso de polícia, porque não é. Nossas polícias têm feito muito com poucos recursos. Estamos julgando cada  vez mais e parece que apenas enxugamos gelo. A sociedade cacoalense precisa acordar e ter um papel mais ativo na formulação de políticas públicas que previnam o alcoolismo, a dependência química e o desprezo pela vida humana. Não há projeto para uma Cacoal que cresce desordenadamente e que, no entanto, não oferece alternativas para os jovens, que cada vez mais cedo entram na vida do crime”, concluiu. 
 
Quem quiser acompanhar os julgamentos basta comparecer ao Plenário do Tribunal do Júri do Fórum de Cacoal (entrada pela avenida Belo Horizonte), de segunda à sexta (exceto dias 15 e 16).  

Fonte: Redação Tribuna Popular