Comitiva cacoalense vai à Fecomércio para discutir fechamento de empresas nos feriados

A diretoria da Associação Comercial e Industrial de Cacoal (ACIC) recorreu à Fecomércio a respeito de fechamento em feriados
Publicado em: 18 de Setembro de 2017

Comitiva cacoalense...

Comitiva formada por representantes empresariais, prefeitura e poder legislativo de Cacoal se reuniu na quinta feira (14), na capital, com membros do Conselho da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Rondônia (Fecomércio-RO) para discutir sobre a proibição da abertura do comércio nos dias de feriado.
Algumas empresas e seus funcionários se sentiram lesados com o fechamento no feriado de sete de setembro, o que gerou um impasse que chegou às vias judiciais. Empresas recém-instaladas, como o Hiper Central no Shopping e a Havan, além de outras de pequeno e médio portes, aguardaram até o último minuto uma decisão favorável. Uma liminar em favor do Sindicato dos Trabalhadores no Comércio do Interior de Rondônia (Sitracom), proibiu a abertura das empresas locais, impondo multa de R$ 100 mil em caso de desobediência.
O próprio dono da Havan, o empresário catarinense Luciano Hang, chegou a gravar um vídeo – visto por quase um milhão de pessoas - questionando o fechamento, já que das 100 lojas do grupo espalhadas pelo pais, apenas a de Cacoal permaneceu fechada no feriado, prejudicando, segundo o empresário, os funcionários que queriam trabalhar e chegaram a fazer um manifesto na frente da entidade sindical.
A iniciativa do sindicato, seguida da decisão judicial, acendeu a questão, que passou a ser objeto de intensos debates nas redes sociais. Afim de encontrar uma solução que atenda aos interesses de empresários e empregados do comércio, a diretoria da Associação Comercial e Industrial de Cacoal (ACIC) recorreu à Fecomércio, que marcou uma reunião, convocou o Conselho Deliberativo e convidou diversas autoridades para o debate.
Para o vice-prefeito de Cacoal, Cirone Deiró (PP), que também é empresário e representou a prefeita Glaucione Rodrigues (PMDB),” é preciso considerar que estamos vivendo um momento de crise nacional e que as empresas e seus funcionários precisam ter o direito de escolher quando trabalhar, respeitando as regras que garantem aos trabalhadores os benefícios definidos pela CLT. Empresários e patrões tem o mesmo objetivo, gerar renda para garantir suas vidas e seus empreendimentos. O momento é de trabalho, de desenvolvimento e precisamos ter consciência de que o progresso é um beneficio que só vem com o esforço e sensibilidade de todos”, disse.
Apesar da garantia de fechamento através da convenção e, principalmente da liminar, o “tom” da reunião mostrou que há uma mudança de pensamento sobre o tema. O presidente da Fecomércio, Raniery Coelho, citou a nova legislação trabalhista como parâmetro para a necessidade de uma flexibilização na elaboração das próximas convenções trabalhistas.
Ainda, segundo o vice-prefeito, os conselheiros da Fecomércio alertaram para a discussão sobre a convenção 2018 que decidirá sobre o fechamento nos dias de feriado do próximo ano. Para eles, será necessário visitar antecipadamente os principais municípios e ouvir as peculiaridades de cada comércio através das associações comerciais, para depois deliberar sobre o assunto.
Ficou acordado que a Fecomércio marcará uma reunião com a diretoria do Sitracom para discutir uma flexibilização quanto ao feriado de dois de novembro, para que os comerciantes e funcionários que se dispuserem a trabalhar, não sejam novamente afetados até que a nova convenção seja aprovada.
Além das autoridades de Cacoal, participaram da reunião presidida pelo presidente da Fecomércio, Raniery Coelho, o presidente da Assembléia Legislativa de Rondônia, deputado Maurão de Carvalho (PMDB), o presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais de Rondônia (Facer), Gérson Zanata, o vice-presidente da ACIC, Gustavo Reis, o vereador por Cacoal, Mário Angelim Moreira- Jabá- (PRP) representando o poder legislativo, e o gerente de recursos humanos da Havan, Aurélio Paduano. (aSSESSORIA).


Fonte: Assessoria
midia