Daniel Paixão
Daniel Paixão

Coluna

Papudiskina

PapuDiSkina - O RICO PAIS DE MISERÁVEIS....

27 de julho de 2017
Publicado em: 28 de Julho de 2017

O RICO PAIS DE MISERÁVEIS....

Muita gente está perplexa com o maior empobrecimento da população e não consegue entender como um país tão rico produza tantos miseráveis. Mas essa é a lógica perversa do capitalismo. Para cada pessoa muito rica, sempre haverá uma centena ou até milhares de pobres. Onde houver gente muito rica, sempre haverá gente muito pobre. O equilíbrio, na perspectiva das relações capital e trabalho é esse: tem-se sempre que reduzir custos e salários para se aumentar a competitividade entre os mais ricos, não se importando o número de miseráveis que essa política de precarização do trabalho vá produzir.

Aqui em Rondônia, lamentavelmente, mais da metade dos nossos representantes na Câmara e no Senado são cúmplices nessa revolução "gloriosa" dos mais ricos que retomam o seu espaço. Eles se sentiam ameaçados por uma pequena melhora na vida dos mais pobres e reagiram com força. Estão muito próximos da retomada total do poder e assim restabelecer os tempos áureos da burguesia soberana! Eles, os ricos, sentem saudades dos tempos em que podiam penitenciar-se de "seus pecados" dando esmolas nas ruas. Preocupava a essas figuras da República o sumiço da maior parte dos andarilhos pelas ruas. Incomodava a eles ver esses pobres poderem viajar, comprar, ainda que parcelado, um carro popular, e, em alguns casos, até viajar ao exterior.

Veio a turma do Temer e o seu séquito e, em conluio com a FIESP e outras organizações dos bacanas, e entraram dispostos ao combate final. Estão muito próximos da vitória final. Estão muito próximos de restabelecer a burguesia e as oligarquias no comércio, na indústria e no agronegócio. Aos demais brasileiros, restará as lágrimas, as lamúrias e as reclamações de sempre. Nada mais se lhes restará a não ser acreditar que os desígnios de Deus lhes reservaram uma vida de sofrimento na terra. Mas será que é Deus quem quer isso mesmo para seus filhos? Será que Deus quer ver o império da injustiça e aos pobres restar-lhe o consolo de que na vida teremos aflições, sempre? Pelo menos, deputados e senadores evangélicos, que votam nessas proposições do mal, acreditam nisso, desde que o sofrimento não lhes bata à sua porta, mas apenas à porta de seus "irmãos de fé e de voto". Tenho dito!

POR QUE SERÁ QUE DEPUTADOS QUE SE DIZEM APOIAM ESSAS INJUSTIÇAS PROPOSTAS PELA DIREITA CONTRA OS MAIS POBRES?

Talvez os ditos deputados da bancada evangélica acreditem "sinceramente" que aos cristãos está ordenado viver uma vida de sofrimento para assim cumprir sua missão na terra e herdar os céus. Esses deputados e senadores, ditos cristãos, que são insensíveis à opressão dos milhões de trabalhadores que constroem este país, talvez acreditem que aos seus irmãos de fé e de voto o sofrimento seja parte de suas jornadas na terra.

Como cristão, vou continuar como irmão de fé desses deputados que votam contra a nossa causa, mas já não mais serei seu irmão de voto. Aos que votam contra os interesses da maioria e sempre em favor de uma minoria, entre os quais se incluem, vai o meu recado: haverá um dia em que o povo, democraticamente e através dos votos, lhes dará uma merecida resposta. Mas até para isso vocês são precavidos, bem sabemos.

Não votar mais nos senhores afetará apenas seus egos, mas não suas fortunas acumuladas, sem contar as aposentadorias precoces e muito beneficentes.

NÃO SEI QUEM SOU EU NO ESPECTRO DA POLÍTICA....

Sou contra o Estado mínimo, que aniquila direitos e oprime as massas ao não adotar políticas mínimas em favor dos mais pobres, mas também sou contra o empoderamento do Estado, que monopoliza tudo e rouba dos cidadãos o direito de uma competição saudável e o direito de crescer e empreender, se assim o desejar.

Sou contra todos os extremos, mas como a minha ideologia visa sempre a defesa da ética pública, melhor distribuição de renda e valorização da classe trabalhadora, eu me defino como centro esquerda.

Mas vou logo avisando: ser contra essa malfadada reforma trabalhista, que não cuidou de defender os interesses dos trabalhadores, não faz de mim um abestalhado que apoia os corruptos do PT só por que são de esquerda. Ser contra o PT, também não faz de mim um defensor do Temer e seus aliados da burguesia opressora.

Estou desiludido com a política e pretendo votar branco ou nulo se não aparecerem candidatos dispostos a desfazer esse pacote de maldades aprovado pela direita brasileira a mando dos empresários que financiaram suas campanhas.

Eu penso que todos nós, trabalhadores, temos de torcer para que apareçam candidatos realmente interessados em reverter essas emendas danosas à nossa constituição e devolver aos trabalhadores os direitos mínimos que lhes assegurava a nossa velha e ultrapassada CLT que, mesmo carente de reforma, é muito melhor do que esse pacote absurdo aprovado pelos partidos que dão sustentação a esse "TEMEROSO" governo.

 


Fonte: Daniel OIiveira da Paixão

Mais de Daniel Paixão